The current Bet365 opening offer for new customers is market-leading bet365 mobile app You can get a free bet right now when you open an account.

MusicSign dá volume à música para surdos

MusicSign dá volume à música para surdos

Derrubar barreiras. Criar laços. Facilitar a comunicação. Integrar. São algumas formas de definir o que é a Língua Gestual Portuguesa (LGP).

Já imaginaram se esta ferramenta não existisse? Como é que quem não ouve se poderia exprimir?

O processo não é simples, mas é muito criativo e abrangente. Consegue-se até dar volume à música! Como? É o que vamos saber, através do projeto MusicSign, que o Rafa e o Pedro desenvolvem desde 2015, a partir de Coimbra para o mundo.

O VerDaqui esteve à conversa com estes dois intérpretes de LGP. Pode também ver e, em língua gestual, esta entrevista, a seguir à escrita.

VerDaqui (VD) - Como surgiu esta ideia?

Rafa e Pedro (R e P) - Esta ideia surgiu da vontade de nós os dois, intérpretes de língua gestual, querermos tornar a música acessível à comunidade surda através da gravação de um vídeo e posterior disponibilização no youtube.

VD - Isso foi há quanto tempo?

RP- A ideia surgiu no início de 2015 e em fevereiro do mesmo ano gravámos o primeiro vídeo.

VD - Quem são os protagonistas?

RP - Os protagonistas são dois intérpretes de língua gestual portuguesa, sempre com o apoio de pessoas que fazem a captura das imagens e edição de vídeo.

VD - Como é que conjugam tudo?

RP - Nós fazemos a interpretação das músicas e idealizamos o cenário para os vídeos. A edição é feita, consoante a diponibilidade, por duas pessoas diferentes (uma surda, da área da multimédia) ou então por um projeto, o AltamenteProd. As gravações são maioritariamente realizadas no estúdio da EsecTV e, por vezes, no exterior.

VD - Como escolhem as músicas?

RP - Não existe um critério em concreto. Tentamos que sejam músicas em dueto, cantadas por um homem e uma mulher, e abranger vários estilos musicais. Propomos as músicas e, em conjunto, decidimos se avançamos ou deixamos essa música de lado.

VD - Em Portugal, há os "Mãos que Cantam" mas é mais música sacra, certo? Deste género creio que são os pioneiros... como pretendem chegar a mais gente?

Já tiveram feedback? E pedidos de músicas?

 RP - O “Mãos que Cantam” não é apenas de música sacra. Ainda assim, tanto esse projecto como o nosso são de interpretação de músicas mas com características e estilos diferentes. Dentro do nosso género, existem outros intérpretes que fazem interpretação de músicas para o youtube mas em nome individual e, apesar de não fazerem parte de um projecto, cremos que não somos os pioneiros nesta atividade. O que nos distingue é o facto de termos um nome, uma página do facebook, um canal do youtube. Para além disso, temos a preocupação de gravar vídeos com cenário e que sejam artísticos.

Já tivemos feedback tanto por parte da comunidade surda como da ouvinte. Da primeira, tem sido muito positivo, a aceitação é geral, sendo que por vezes são os próprios que nos perguntam quando será o lançamento dos próximos vídeos. Em relação à comunidade ouvinte, o feedback é igualmente positivo e acreditamos que esta é também uma forma de sensibilizá-las para a comunidade surda e para a língua gestual.

Apenas dizer ainda que esperamos que com este projeto consigamos sensibilizar alguns artistas no sentido de começarem a existir concertos e espetáculos ao vivo com a presença de um intérprete de língua gestual, quebrando assim uma barreira para a comunidade surda. Também acreditamos que este projeto é a prova viva de que a música pode ser acessível para todos.

MusicSign nas redes sociais:

Facebook: @MusicSignlgp

Youtube: MusicSign

 

 

Sistema de comentários desenvolvido por CComment

Artigos Relacionados